11 de setembro de 2013

Discriminação Estética

Você se identificou?
Hoje eu me peguei assistindo ao Programa Bem-Estar e lá estavam eles falando de exclusão contra o público obeso. Eu sei que não sou mais gorda, mas psicologicamente falando, não consigo me desvincular dessa imagem e sempre acabo defendendo esta causa. 
Ao longo do programa, eles trouxeram uma sessão de fotografias que mostrava como essa discriminação acontece e como o olhar das pessoas às vezes consegue ser tão cruel quanto um comentário. Pouca gente sabe, mas essa violência tem nome: Discriminação Estética - que não por acaso é o tema do meu TCC. Segue então um trechinho.

"A busca pela beleza é um tema tão presente no dia-a-dia das pessoas que crianças, adolescentes e adultos interiorizam e reforçam estes conceitos, os quais pões em risco a convivência social harmônica e digna com quem parece diferente. Isso gera discriminação e exclusão destes indivíduos - a chamada Discriminação Estética. As vítimas normalmente são pessoas que fogem do padrão de aparência aceito por uma determinada sociedade. Somos bombardeadas por imagens e modelos de beleza nos veículos de comunicação. Todas estas informações invadem nosso subconsciente e, lentamente, vão ocupando um lugar de referência, tendo em vista que o mundo e as imagens que nos cercam são parâmetros que observamos, selecionamos, adotamos ou rejeitamos para formar nossa própria subjetividade. 
No entanto, sabe-se que nem sempre é possível ir de acordo com os padrões, e àqueles que não conseguem alcançar o padrão desejado, em geral sofrem muito, pois não correspondem à expectativa da sociedade. Surge então uma relação de olhar e ser olhado, agradar e ser agradado. Consciente ou inconscientemente, a auto-imagem muda, dependendo da aceitação e julgamento que os outros fazem dela.
A ideia de um padrão de beleza massacra personalidades e auto-estimas; geram dificuldades nos relacionamentos sociais e afetivos e até mesmo quadros psiquiátricos como consequência da marginalização do que é ser “diferente". No caso da pessoa obesa, esta sofre preconceitos e é discriminada, pois a sociedade julga o corpo magro como “normal”, e o corpo gordo como “patológico”. (...)"

6 comentários:

Amanda Borges disse...

super interessante esse tema, as pessoas são cruéis as vezes
difícil mudar esses pré-conceitos né
beijo

SALETE disse...

Deis eu concordo mais!O que me acordou para realidade de que estava gorda foi o dia que uma amiga me disse para eu olha para o espelho para ver o quento estava gorda.Doeu muito mai eu já estava com 80k e se ela não tivesse feito isso talvez hoje estaria com mais de 100.Etão eu acho que horrível mais de certa forma chama um pouco a pessoa para realidade. bjos

Lika Roselli disse...

Oi, Só quem foi ou ainda é gordinho pode saber como isso dói na alma! Adorei seu post!
beijo

Lívia disse...

Dea, minha avaliação física foi basicamente adipometro + medidas com fita métrica e balança. De esforço físico ele só pediu para eu fazer quantas flexões eu conseguisse em 1 minuto e quantas abdominais completas eu conseguia tb em 1 minuto.

Ah, não sei se seu TCC está terminado, mas se não estiver, tenho uma sugestão. Compare a Discriminação estética com a discriminação pela deficiência. As pessoas com deficiência são excluídas por uma cultura da normalidade, de forma um pouco diferente, claro, mas uma comparação poderia enriquecer seu estudo.
Se quiser, tenho um artigo publicado na SUR para conhecer o debate.
http://www.scielo.br/pdf/sur/v6n11/04.pdf
Bjoooo

Ju disse...

Isso é o que mais acontece, infelizmente. Seu tema é excelente e vc escreve super bem... parabéns!!!

Beijinhos

Roh Jardim disse...

Não tem como a gente não se dore pelo tema.
Na minha cabeça ainda sinto isso como se fosse comigo, porque até a pouco tempo era.
Sem dúvida escolheu muito bem o tema do seu TCC.
Sucesso!
Beijos