12 de outubro de 2012

Desabafo de uma Criança Crescida


Ser criança pode ser muito bom quando tomamos como parâmetro o mundo adulto em que vivemos: as cobranças, exigências, a falta de tempo pra se divertir. Mas, lembrar-se da infância pode ser também muito triste, e porque não dizer, traumático. Hoje escrevo, não pra dizer que meu passado me condena, mas pra dizer que, às vezes, ser criança é mais difícil do que ser adulto.

Adultos insatisfeitos sabem dialogar e resolver seus problemas; são independentes e podem se afastar daqueles que lhes incomodam; são simplesmente adultos, e, em último caso, sabem recorrer aos tribunais. As crianças não, e isso aprendi na minha graduação em Psicologia. Quando insatisfeitas com alguém, elas gritam, mordem, batem, xingam (daí apanham dos pais, são suspensas das aulas, expulsas do colégio, tidas como hiperativas); inventam desculpas pra faltar aula e tiram notas vermelhas no boletim (daí são tidas como mentirosas, que não gostam de estudar, que são burras, incapazes); ou se calam, fingem que isso não as incomoda, fazem palhaçada pra se sentirem divertidas (são tidas como quietinhas, tranquilas, que não dão trabalho). Esta era eu, um misto disso.

Era? Doce ilusão...

Durante todo o colegial fui chamada de feia, gorda, baleia, bola, e por muitas vezes vi meu nome estampado em paródias e músicas pejorativas. Até hoje, lembro-me de todas as músicas (do início ao fim), de quem as cantou, onde cantaram, de todos que eram coniventes com isso e de todos que deram risada. São cenas que nunca saíram (nem sairão) da minha cabeça. E lembro-me com tristeza, com ódio, com raiva, com sede de vingança... Desejando o “com ferro será ferido” pra cada mauricinho e patricinha que por anos fui obrigada a conviver... Desejando mandar a conta do psicólogo pra cada um deles.

Hoje, aos 21 anos, malho todos os dias, faça chuva ou faça sol, cansada ou não, de tornozelo ou pulso torcido. E malho até doer, até fatigar, até ficar tonta de tanto pegar peso ou de tanto correr. Todos os dias, penso duas vezes antes de cada refeição, no que vou ou não comer, no quanto isso vai me engordar ou não. Todo dia me peso, e cada mínima grama a mais acaba com meu dia. Não, a culpa não é minha!

Neste Dia das Crianças quero alertar aos pais que a sua criança pode estar sofrendo neste exato momento, escondidinha e calada, dando graças a Deus que hoje é feriado e ela não precisou ir pra aula. Olhem essas crianças, conversem com elas, percebam as mudanças comportamentais que elas apresentam, e vejam isso como sintoma, não como birra! Essa criança tem todas as possibilidades de lembrar-se da infância com saudades e ter sim um “Feliz dia das antigas Crianças”... Por favor, não a permita sentir o contrário.

Feliz dia das Crianças!

15 comentários:

Maryluce disse...

Caramba isso sim foi um desabafo, nem consigo imaginar seus sentimentos diante de toda essa situação e principalmente quando ainda criança. Seu texto precisa ser estampado em revistas, jornais, livros e outros meios, ouvir de uma pessoa que viveu tudo isso é chocante. Parabéns por estar na luta para que isso nunca aconteça novamente e cada desejo que você envia pra essas pessoas eu tb desejo. Seja feliz!!!

novafasecampbell disse...

DEEEEEEEEEEEEEEEEA! DISSE TUDO! Fiquei arrepiada, SEMPRE fui gordinha sempre MESMO e passei por TUDO ISSO! até ano passado! Está muito recente e eu guardo tudo, tudoooooooooooooooooooo mesmo. Cada rostinho de ANOS naquela escola que passei MUITA coisa! Mas é isso ai, agora somos FORTES e faça chuva ou sol... CUIDAMOS DE NÓS!

Equilíbrio! disse...

é amiga...coisa chata, né? só que hoje a situação continua feia...pois os pais não tem tempo para ver o que está acontecendo com seus filhos...e tb, muitas vezes, não dão bola para conversa de criança...eu converso muito com meus filhos e tento sempre ver os dois lados da situação...esses tempos os meninos começaram chamar meu filho de Elvis, não sei pq...ele é japinha...daí mostrei quem era Elvis, falei que era lindo, inteligente e rico...e fui na escola...daí pararam...não dá para deixar isso crescer...né? eu sou ruiva...eles diziam que eu tomava sol com peneira...que estava enferrujada...e por aí vai...mas sei lá...não ligava não...não vejo que isso me trouxe qq problema...mas era chato, isso era...bjaoo

Anônimo disse...

vc me trouxe foco, passei por algumas coisas por toda a minha vida... As pessoas perguntam: O que vc fez p emagrecer? Penso, me amei +. Hoje comer certo é extremamente fácil para mim,s abe pq? eu sei quanto sofri e ainda sfro para emagrecer... E o quanto mt coisa é mais fácil hoje por isso! Nesse dia das crianças tinha perdido mt o FOCO, mas vc me ajudou a encontra-lo novamente. muito obrigada!

Nah disse...

Que lindo texto. Pura realidade!
:/
Beijos
Nah

novafasecampbell disse...

linda. me manda um mensagem no face para eu saber que mé vc e te aceitar bjs bjs

RAQUEL FREITAS disse...

fiquei emocionada,parece minha história...lembrei q com 12 anos pesava 83 kg,ganhei um patinete que na época era moda,lembro do filho do meu ex padrasto me dizendo que as rodinhas tinham que ser de caminhão pra mim não entortar o brinquedo e dava risada na minha cara...chorava,sofria calada,nunca brincava com meus primos la fora,pois eles subiam em arvores e eu não conseguia,não conseguia correr,era tenso...apesar de tudo,guardo apenas as lembranças boas,as ruins ainda existem e não são poucas mas eu tento nem lembrar pois me dói muito.só sei de uma coisa.não vou deixar que minha filha passe por isso.não mesmo.beijo e bom domingo!

Maryluce disse...

Oi Dea td bem? Vi seu comentário no meu novo post, vim te confessar que eu comi uma sanduiche, mas eu to perdoada fazia um tempão que não comia. Coloquei o restante do post. Dá uma olhadinha. Beijos!!!

Denni disse...

Nossa Dea, não pude conter as lágrimas lendo seu post...fui tb uma dessas crianças redondinhas onde tiram sarro... me vi no seu relato. Hoje tenho dois filhos e fico de olho no que fazem, ou o que me contam da escola, tentando diagnosticar qualquer mínimo detalhe que venha a traumatiza-los de alguma maneira no seu futuro. Adorei mesmo sue post...beijos no coração

Ívian Ferreira disse...

Dea, infelizmente muitas crianças assim como vc um dia não tereão muitos momentos felizes ao se lembrarem dos momentos de sofrimento e de desprezo por estarem acima do peso e serem gordinhas. Muitos pais deveriam mesmo ficar atentos aos comportamentos das crianças pois eles denunciam algo que está lá no intimo, lá no fundo da alma delas. Vc infelizmente sofreu muito com a discriminação, mas hoje conseguiu dar a volta por cima em relação ao seu corpo, hoje é uma linda mulher, formosa, com um corpão e radiante. Mesmo que esses sentimentos ainda sejam lembrados, não deixe que eles lhe magoem, tente virar apagina pois mágoa esentimentos ruins dvem ser trabalhados para nao atrapalhar nosso dia a dia. Vc não precisa ter mais medo do passado, pois seu presente é de uma mulher determinada, persistente e que se cuida, se ama e ecom certeza é amada e querida por muitos. O que vc é hj cala a boca d emuita gente que um dia lhe ridicularizou, então bola pra frente. Parabéns pela sua força d evontade e por ser guerreira, pois mudou sua situação, mudou sua história.

parabéns!


Bjss lindona!

Michele Melo disse...

Adorei teu post...
É isso aí
concordo plenamente!

Beijoss

Amanda Borges disse...

Eu imagino como deve ter sido pra voce amiga! fui uma criança fofinha, mas até que lidava bem com isso e as pessoas em volta me aceitavam bem. Mas o negócio é com a gente mesmo, se ver no espelho e não gostar do reflexo é a pior parte.
Seu texto me motivou a dar o melhor de mim daqui pra frente!
beijos

Ramona disse...

Poxa amiga... sua postagem me fez viajar no tempo e pensar que não tenho nem uma saudade da minha infância difícil, que foi assim como a sua, mas tenho orgulho de ser quem eu sou hoje e ter escapado de toda aquela angustia que eu sentia quando era criança. Bjs!

Lívia disse...

Oi, flor!
Nossa, seu desabafo foi triste e lindo. Reconhecer o quanto foi e é difícil conviver com as relações truncadas da infância. Lutando para não ser mais a pessoa que despertou tanta crueldade "inocente" nas demais crianças... Nossa, eu imagino a barra que vc enfrentou mocinha...
Eu sei que deixar tudo isso pra trás é uma questão de tempo e amadurecimento. E acho que vc está no caminho certo.
Torço por vc. E sim, estarei com os olhos mais abertos para que minha filhota não precise passar pela infância sem o apoio necessário.
Bjo

Ju disse...

Adorei o post, mais que um desabafo uma realidade!!! Eu tento sinceramente deixar os anos de dor (precisamente 3 infernais) pra trás... logico que lembro deles... mas você vai ver que com o tempo a essa dor vai diminuindo... E ficar gostosa realmente é a melhor vingança!!!! EU posso não estar magra... mas as magrelas da minha época já não são hj nada demais... todo mundo embarangou e eu até q to melhorsinha... rs!!! bjo